06 janeiro 2008

De uma vez por todas (Parte II)

Nosso território de influência precisa ser alargado e o modo como estamos acostumados a pensar e a raciocinar precisa ser transformado.

"Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente...” (Rm. 12:2). Nossa mente precisa ser transformada radicalmente pela revelação da Palavra de Deus para conhecermos a Sua Vontade.

A Unidade de Seu povo é a Vontade de Deus, "porque alí o Senhor ordena a benção e a vida para sempre." (Sl. 133:3). A bondade e a suavidade de estarmos unidos como irmãos é a experiência da boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

Precisamos ler textos como Ezequiel 37 e João 17 deixando que o ensino do Espírito Santo permeie nosso modo de pensar a tão ponto que leve a uma mudança radical em nossas atitudes, palavras e ações.

A Palavra do Espírito Santo para a Igreja hoje é esta: "Amplia o lugar da tua tenda e as cortinas das tuas habitações se estendam; não impeças; alonga as tuas cordas e firma bem as tuas estacas. Porque trasbordarás à mão direita e à esquerda; e a tua posteridade possuirá as nações e fará que sejam habitadas as cidades assoladas." (Is. 54:2-3).

Apossamo-nos desta promessa, cada um de nós para a nossa "igreja" justificando-nos assim: "Se minha igreja cresce cresce a obra." Que engano!

Entendamos o "ampliar o lugar da tua tenda" além de nossas estacas e de nosso território. A promessa aqui é para a IGREJA. O lugar da tenda é a tenda do povo de Deus. As estacas da Igreja na Cidade são as divisas da cidade, portanto inclue a todos. O propósito de Deus é alcançar as nações e ninguém alcancará as nações sozinho e independente, mas com parceria e colaboração mútuas.

Alargar a tenda é consequência do alargamento do entendimento da mente. Não podemos continuar pensando em termos de nosso ministério e nossa missão, mas no Ministério de Cristo e na Missão da Sua Igreja. É preciso enxergar o Plano de Deus para nossas cidades e nações e alinharmos nossos ministérios com esta grande visão.

O Ministério de Cristo é a Unidade e a Missão da Igreja é buscar o que se havia perdido. Vai cumprir esta missão, um só povo sob a ordem de um só General: Jesus Cristo. Não consigo ser mais claro do que isto! Apenas que temos corrido o risco de estarmos pregando o Evangelho fora do propósito de Deus que é através da Unidade da Igreja e não do esforço próprio e independente de alguns de nós e de nossos ministérios.

Denominamos igrejas do avivamento - uma igreja local que está avivada e não as outras seu redor. O Espírito de Deus será derramado sobre toda a carne e o grande avivamento é para toda a cidade. Não se mencionará então a igreja do avivamento, mas a cidade, a região e a nação do avivamento. Não é isto que todos desejamos e rogamos ao Senhor em nossas reuniões de oração? Deus quer fazer-nos a TODOS transbordar à mão direita e à esquerda, coletivamente e não individualmente. Isto vem do Avivamento que é para todos. "Derramarei o Meu espírito sobre TODA a carne” (Jl. 2:28) é a profecia que está se cumprindo em nossos dias.

Mais do que palavras e orações isoladas precisamos nos reunir, como líderes, em reuniões de conselhos e cafés da manhã para nos relacionarmos uns com os outros, com coração quebrantado, numa renúncia honesta de agendas próprias e com uma visão ampla do Reino de Deus e de Seus planos.

Deus me mostrou há alguns anos atrás que estádios e lugares públicos serão tomados por servos de Jesus, para dias de jejum e oração. Já está acontecendo!

De um modo prático pastores e igrejas devem se organizar para juntos e unidos reunirem-se em praças públicas e estádios, para dias de jejum e oração. Imagine você milhares de jovens reunidos para orar e jejuar e não para se divertirem e serem abençoados, mas para se oferecerem em sacrifício a Deus para que Ele derrame o Seu Espírito sobre a cidade.

É preciso colocar a Unidade da Igreja como prioridade em sua vida, porque é contemplando a Unidade da Igreja que os habitantes de nossas cidades crerão que Deus enviou a Jesus.

De uma vez por todas: Povo de Deus, uní-vos! "Até que se derrame sobre nós o Espírito lá do alto; então, o deserto se tornará em campo fértil e o campo fértil será reputado por um bosque." (Is. 32:15)

6 comentários:

Gilmar disse...

Josimar.

Recebo seus emails e os considero muito edificante. Este último me chamou a atenção por esta questão de "uni-vos".

Atualmente sou um pastor militante, convivo com pastores de todas as denominações evangélicas. Muito se fala em união, unidade. Mas isto não é facil de conceber nem na mente e nem na prática, pois a igreja é espiritual e física, é imensa, tem pluralidade de ministérios e de necessidades espirituais individuais de toda cultura, formação, criação. É impossível ajuntar, centralizar a mensagem e eleger alvos pois cada local, cidade, estado e país tem potestades diferentes. O enfoque da igreja tem de ser plural variado e compativel com a necessidade do local.

Não consigo imaginar esta unidade. Como serria esta igreja hoje? O que as igrejas teriam de fazer hoje para serem unidas? Dê-me uma perspectiva. Me mostre as vantagens dessa união.

Estou te fazendo esta pergunta, pois temos o mesmo Senhor, temos o Espírito Santo, Temos o mesmo Pai celeste. Vivemos por ele e morreremos para ele, só não nos ajuntamos num só bloco.

Fica esta pergunta? Será que Deus nos vê divididos?

Gilmar
ggarbero@uol.com.br

Elizabeth Sales disse...

Que lindo!!!!!!!!!!!!
Não te conheço, não sei como obtive acesso ao meu email, mas seiq ue são lindas suas palavras.Sou evangélica, mas fraca as vezes devio do caminho ou relxo meu compromisso com Deus.Sua mensagem foi de fdato um refrigério na minha alma, sçõa muitos a criticar epoucos a entender porque mudamos quando conhecemos jesus.

Um forte abraço,
Que Jesus o ilumine!!!!!!!!!
Elizabeth Sales
bgsal_2006@yahoo.com.br

JUNIOR disse...

Caro Pastor,

Muito pertinente e certeira a sua reflexão.

Infelizmente, o quadro do "grande" crescimento numérico é o seguinte :

- Crentes viraram "evangélicos"
- Perderam a capacidade de discernimento entre Palavra e "palavra"
- Infantilizaram-se diante dos muitos ídolos de carne
- Deixaram o abraço do Espírito Santo para abraçar novas "visões"
- Secularizaram , sem saber, o que entendem como "igreja"
- Permitiram, apoiando, o crescimento desse tipo de "ministério"


- pastores viraram bispos(até aí bíblico), depois, apóstolos , ainda bem que o céu é o limite...
- pastores deixaram-se corromper pelo "poder" e seus benefícios
- Trocaram a pregação do Evangelho pela pregação de suas próprias doutrinas e "visões"
- Acham que , se não fizerem, Deus não faz.
- Adotaram "visão" de tribo e não de Reino


MAS ,



O Senhor ainda conta com muitos fiéis, pessoas simples e despojadas de vaidades, compromissadas tão somente com Ele e sua mensagem.

Que entregam sua vidas, missionários e obreiros valorosos e de caráter moldado pelo Santo Espírito, que rejeitam as ofertas de crescimento numérico a qualquer preço.

Pessoas que amam simplesmente porque foram amadas por Ele e que tal amor não cabe nelas.

Sabem que o ordinário não é maior que o extraordinário, e que todos somo ordinários.

Discípulos imperfeitos, que reconhecem isto mas que sempre tentam agir segundo os ensinamentos e testemunho de Cristo.

EU CREIO NA NOIVA DE CRISTO.


Júnior
facundes@hotmail.com

Paulo Emanuel disse...

Boa palavra, para variar. Tenho apenas duas considerações: 1) Você acredita neste tipo de decisões que ocorre em cruzadas evangelísticas? Eu tenho lido um site chamado www.monergismo.com, no qual há uma entrevista do Dr. Martin Lloyd Jones(no ítem Evangelismo, se não me engano) abordando o trabalho de Billy Graham. Há outros artigos também falando sobre os métodos de Charles Finney, os quais me levam seriamente a pensar.
2) Você é um dos que foi para fora e continua afiado no Português. Mas a título de ajuda: o verbo retroceder não tem sc. Só c.Eu pensei que foi um erro de digitação, mas você usou o termo e um derivado quase que em seguida.
No mais, concordo com você em tudo. O Senhor só não voltou pela segunda vez, porque ainda não somos um. Creio até que, guardadas as devidas proporções, o mundo já foi evangelizado, a contar da era apostólica até os dias atuais.
Um abração.
Paulo Emanuel
cdgrandioso@yahoo.com.br

Paulo Emanuel disse...

Boa palavra, para variar. Tenho apenas duas considerações: 1) Você acredita neste tipo de decisões que ocorre em cruzadas evangelísticas? Eu tenho lido um site chamado www.monergismo.com, no qual há uma entrevista do Dr. Martin Lloyd Jones(no ítem Evangelismo, se não me engano) abordando o trabalho de Billy Graham. Há outros artigos também falando sobre os métodos de Charles Finney, os quais me levam seriamente a pensar.
2) Você é um dos que foi para fora e continua afiado no Português. Mas a título de ajuda: o verbo retroceder não tem sc. Só c.Eu pensei que foi um erro de digitação, mas você usou o termo e um derivado quase que em seguida.
No mais, concordo com você em tudo. O Senhor só não voltou pela segunda vez, porque ainda não somos um. Creio até que, guardadas as devidas proporções, o mundo já foi evangelizado, a contar da era apostólica até os dias atuais.
Um abração.
Paulo Emanuel
cdgrandioso@yahoo.com.br

Mateus disse...

Certa vez li e nunca me esqueço: "Quando uma igreja trabalha, uma igreja trabalha, mas quando uma igreja ora, Deus trabalha." Como o pastor Bob mesmo disse: "Deus pode fazer num segundo o que nós, por nossas forças, demorariamos toda uma vida".
Os líderes de hoje estão muito bem informados, automatizados, intelectualizados mas com muito pouco intimidade com Deus, e o rebanho é um reflexo disto.
A igreja da qual sou membro tem investido muito em oração e eu tenho sentido que tudo na igreja tem mudado para melhor, a palavra, o louvor, as pessoas, a atmosfera é outra. Imagina se tivessemos tomado esta atitude a alguns anos atrás, onde estariamos hoje? Agora imagine se todas as igrejas juntas investissem em oração num só propósito?
As pessoas dizem que sentem falta do tempero do Brasil, do calor do povo brasileiro, das novelas em família, mas eu vivo falando com minha esposa que o que eu mais sinto falta é ver no fim do culto dezenas de pessoas levantando a mão aceitando Jesus na vida delas, passam-se meses e meses e eu não vejo uma pessoa aceitando Jesus, não vejo um batismo. Como vc mesmo disse "Quanto precisamos de um mover de Deus! Estou realmente, meu irmão, ansioso por ver vidas sendo salvas... Temos todos fracassado em ganhar vidas". Assino em baixo e talvez eu não esteja aqui para ver isto acontecer, mas eu tenho certeza que esta vindo uma geração que vai dobrar o joelho aqui em New England, acho que já começou.
Grande abraço, do irmão e amigo.
Mateus
mateusetaty@hotmail.com