28 maio 2008

A IGREJA NÃO É DE ROMA



“Que fareis pois irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.” (I Cor. 14:26)

Desconhecemos a espontaneidade e a liberdade nas reuniões do Corpo de Cristo, com a participação ativa dos crentes e não de alguns poucos, porque não entendemos ainda o que significa Igreja. É preciso compreender: desfez-se a reunião, e o ajuntamento dissolveu-se, não existe mais igreja. Igreja é reunião, é ajuntamento, é assembléia.

“Mas chegastes ao monte de Sião e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial... à universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus e a Deus... e a Jesus...” (Hb. 12:22-24).

O tempo exige espaço para prover sua limitação, para demarcar sua referência de um acontecimento. “Porque onde estiverem dois ou três reunidos em Meu Nome, ai estou no meio deles.” (Mt. 18:20). Jesus manifesta Sua presença na temporalidade dos encontros humanos nesta igreja de dois ou três pararelamente reunindo-se eternamente naquela igreja (assembléia) de milhares de primogênitos.

Estavam todos reunidos no mesmo lugar (At. 1:2), era a igreja. Dizer que a igreja estava reunida é uma redundância. Era a comunidade de irmãos e irmãs que numa constante dinâmica de relacionamentos entre si e em comunhão com Deus aguardava o derramamento do Espírito Santo, que João Batista chamou de Batismo. (At. 1:5).

A igreja não é de Roma, são todos os que estão em Roma, amados de Deus, chamados santos. (Rom. 1:7). A igreja de Deus está em Corinto (I Co. 1:3; II Co. 1:1), quando se reúnem no Nome Jesus e Ele está no meio deles. São as igrejas da Galácia; em cada cidade ou vila se congregam e porque estão congregados naquele tempo determinante são igreja (Gl 1:2). São os santos que estão em Éfeso e fiéis em Cristo Jesus (Éf. 1:1). São os que estão em Filipos (Fp 1:1) e em Colossos (Cl. 1:2). É a igreja dos tessalonicenses em Deus, não que pertença a eles, são eles mesmos quando estão reunidos, em assembléia (I Ts 1:1, II Tes. 2:1).

Dissociar IGREJA da ídeia de lugar definido, templo, denominação, prédio, edifício, “igreja” que continua sendo “igreja” mesmo quando não estão reunidos é exercício difícil do pensamento; tem-se que renunciar violentamente os axiomas e dogmas estabelecidos; tem que se desvencilhar e se desatar das tradições dos séculos protestantes e evangélicos; tem que ter coragem para romper com paradigmas cauterizantes e engessados de natureza puramente religiosa; tem que romper com sistemas hermenêuticos históricos que há muito roubaram os meios de se chegar até às Escrituras despreconceituosamente e tem que santificar-se, separar-se para a Verdade, pois é possível se libertar deste hibridismo – santo-profano – para entender por Revelação a discernir o Corpo de Cristo que definitivamente não está dividido.

Toda “igreja” tem um altar e um púlpito. O altar serve para uma classe sacerdotal exercer suas funções e o púlpito serve para discriminar os santos de Deus. “Mas vós sois a geração eleita, sacerdócio real (sacerdotes e reis), a nação santa, o povo adquirido para que anuncieis as virtudes daqueles que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz.” (I Pe. 2:9).

O rebanho de Deus reconhece que o Espírito Santo constituiu bispos que o apascenta, mas sendo resgatado com o próprio sangue de Deus (conforme Atos 20:28), tem acesso livre ao Altar nos céus que elimina categoricamente qualquer altar na terra. Existiram na terra até à crucificação de Jesus altares pagãos e altares para Deus, depois da Cruz de Jesus, o último altar de Deus na terra, todo altar na terra se tornou pagão. Jesus é o Altar Eterno de Deus e é somente Nele e através Dele que nos encontramos com Deus.

O púlpito sacraliza a voz do que fala em Nome de Deus. É somente para “os escolhidos.” Não é canal de todos os santos. Estes se silenciam para ouvir a voz do que fala. De fato, o púlpito roubou a liberdade dos santos de edificarem uns aos outros, porque se um somente edifica o culto não é do Corpo, mas do pastor ou daqueles que falam ou ministram. O púlpito atrai para si o referencial do próposito essencial da igreja em relação a nós, que os santos se reúnem para edificar uns aos outros. O apêndice tornou-se o destaque e aniquilou a função do corpo.

A figura do pastor-regente é exigência do programa, projeto escrito e minucioso, que dá a conhecer os pormenores de um espectáculo. Leituras, período de louvor, avisos, coleta, pregação, com algumas variantes, todo domingo é o mesmo. Os shows evangélicos moderninzaram o culto e o sofisticou. Mas continua sendo o sistema de palco e platéia, espetáculo e pláteia, figura do Panteão grego. E os deuses se multiplicam.

Se somos santos de Deus e entendemos as coisas do Espírito, não seria o caso de percebermos que o tipo de culto que temos é o mesmo praticado a 500 anos? Não seria o caso de voltarmos para o Novo Testamento e examinarmos as Escrituras para comprovar se estas coisas eram assim? (At. 17:11)

É preciso restaurar o culto às Igrejas, onde irmãos e irmãs edificam-se uns aos outros com o que Deus lhes deu, numa comunhão perene de gente que não segue um programa, não requer um animador para conduzí-los e que dispensa estrelismos. O que passar disto é entretenimento. Por melhor e até edificante que seja é outra coisa, não chame de igreja, à Luz da Biblia não pode ser e definitivamente não é.

Igreja: “onde estiverem dois ou três reunidos em Meu Nome, ai estou no meio deles.” (Mt. 18:20).

13 comentários:

Eudes Garcia disse...

Querido Irmão, continue com essa sabedoria, pois que, cada vez lhe é acrescido até chegar aos ceus e veras a cada dia e a cada vez mais a gloria do Senhor Jesus na sua vida. Fico maravilhado com as mensagens, elas que me agrega o conhecer e a paz de Deus em minha vida.
Que Deus continue a lhe dar forças, sobretudo, sabedoria celestial para que possa mais e mais anuciar o ministério de Jesus. sds

eudes garcia
eudeslgarcia@hotmail.com

Carlos Ferreira disse...

Prezado Pr.Josimar Salum

O senhor não precisa, mas mesmo assim quero dar-lhe os meus parabéns por mais um artigo excelente.
Nos tempos que vivemos e nomeadamente aqui em Massachusetts, infelizmente continua subsistindo o culto das estrelas (pregadores e cantores) e também dos ex's (qualquer coisa).
Precisamos mais que nunca levantar bem alto a bandeira de Cristo e defender os ensinos da Palavra de Deus.
Tem gente por aí iludindo o povo, com água santa, ramos santos, rosas ungidas, livros especiais e outras coisas que tais.
Alguém poderá dizer que eu tenho é inveja, porque a assembleia que eu lidero não cresce, mas mesmo assim e enquanto Deus não me falar, quero continuar do jeitinho que sou.

A Deus seja toda a glória.
Carlos Ferreira (servo de Deus)
pr.carlosferreira@comcast.net

Josimar Salum disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Christiano disse...

Irmão Salum,

Graça e Paz em Jesus!

Creio que tudo o que o irmão escreveu está correto, mas temos que levar em conta que Deus continua sendo Senhor da Igreja e Ele tem poder para mudar essa realidade. pelo menos eu creio. mas, se algo não muda é por que ou Jesus que é o cabeça da igreja não quer mudar ou ainda não é tempo. Uma coisa eu sei, a igreja que Jesus quer não é a mesma que ele tem. Porém como é Ele quem opera em nós(igreja) tanto o querer quanto o efetuar para que possamos desenvolver nossa salvação, o que fazer? creio que nos cabe apenas prosseguir, edificando, salmodiando, e cooperando com o Espírito Santo na edificação da Igreja, até vermos( apesar de que nós não temos quer ver nada!) a igreja totalmente transformada. Já entrei em crise por causa disso, mas decidi descansar e aguardar o Senhor da Igreja.

Shalom Adonai

Christiano
CristianoPetrucci@cetip.com.br

Ismail Pereira disse...

Obrigado Salum,

Mais uma vez "TU-CHE"
Gloria a Deus!

Ismail

Elias Monteiro disse...

Que a Igreja não é de Roma definitivamente é uma realidade; há também uma grande necessidade e edificarmo-nos uns aos outros; no entanto resumir o pulpito a um lugar de discursos e a celebração em Schow de fato é um perigo. Por outro lado. O que seria de uma Igreja sem liderança?

Seu brother de Framingham,

Elias Monteiro.
rev.eliasmonteiro@verizon.net

Jefferson Barcelos disse...

Dear Salum:

"O rebanho de Deus reconhece que o Espírito Santo constituiu bispos que o apascenta, mas sendo resgatado com o próprio sangue de Deus (conforme Atos 20:28), tem acesso livre ao Altar nos céus que elimina categoricamente qualquer altar na terra."

O grande problema é que a maioria dos "Bispos"não querem reconhecer esta verdade e preferem manter um rebanho bastante ignorante e dependente os quais podem manipular a valer.
Qualquer ovelha que ouse discordar da "verdade" absoluta que emana do altar é taxada de rebelde.
Qualquer um que não aceite o "Governo Teocrático" ( pra não dizer, Homocrático ) está distante de Deus.
A maioria não tem a mínima percepção de que a voz de Deus na igreja primitiva emanava do povo, das ovelhas. ( E não somente de Pedro).
A maioria parece que nunca leu o Livro de Atos onde o plurarismo da voz de Deus é evidente nas seguintes palavras : "Anjo de Deus disse a Felipe", o "Espírito disse a Pedro" , o Anjo do Senhor falou a Ananias, o Espírito disse: Separai para mim Barnabé e Saulo, assim demonstrando que é o verdadeiro Governo Teocrático emana da Igreja.
Bem, para a maioria é melhor ignorar o livro de Atos e assim sequestrar a Igreja e perpetuar este tipo de governo Homocrático transvestido de Teocrático.
Vejo que a Igreja foi simplesmente sequestrada pela maioria dos Bispos ( ou para ser mais correto, sequestrada por Jezabel ) usando o altar para satisfazer suas próprias agendas
e vender suas "Imagens".
O resultado deste sequestramento é evidente.
A quantidade de ovelhas machucadas, cheias de problemas e situaçoes para as quais não encontram soluções é incontável. A Igreja ( as ovelhas ) está mortalmente ferida!!!!
Também pudera, com a voz do Espírito sufocada e Jezabel deitando e rolando, não é pra menos...
"A Igreja não é de Roma" : Eu ficaria imensamente feliz se esta fosse nossa realidade..
Infelismente, não é...
Jefferson Barcelos, Rev.
jeffvigo2003@yahoo.com

Oseias Silva disse...

Obrigado pela mensagem !
Oseias L. da Silva - Pastor
shalom49@aol.com

Netsimoes@terra.com.br disse...

Não há como ser santo ignorando, propositadamente, o único mandamento que existe desde a Criação, o único dos 10 denominado santo, abençoado e solene.

Enviaram-me um arquivo de nome “As 30 razões porque não guardo o sábado”. De Hamilton Justos, e percebi que era carregado de farisaísmo, de hipocrisia e de mentira, pois o autor, para tentar legitimar que os cultos da Igreja Primitiva se dava aos domingos, chegou e omitir palavras escritas do textos de Paulo, o que acabou por dar uma interpretação bem diferente do proposto pelo evangelista. Por favor, dar uma olhada. Está anexado.

De tão desolador que é esse arquivo até famoso, acabei por colocá-lo, com meus desmentidos, é claro, em meu site

Graça, paz, saúde e muita sabedoria

netsimoes@terra.com.br
www.segundoasescrituras.com

Darleide Alves disse...

Salum, acho que você tem razão, em parte.
Você não está confundino igreja com organização eclesiática?

Não seriam as duas coisas um projeto de Deus?

Quando Ele escolheu líderes para Israel, estabaleceu modelos de culto, designou pessoas para determinados fins e trabalhos Ele não estava excluindo a assembléia. Ele estava organizando e dando condições para o aprendizado e crescimento.

No meu entender o erro é o desejo humano de se apoderar do projeto de Deus para imputar poder abitrário, estabelecer regras humanas e privar a igreja do conhecimento pleno do amor de Deus e da Sua vontade revelada. Aí sim; isso é "Roma". Tomando o lugar de Deus, se fazendo passar por Deus perante aqueles que confiaram nos argumentos humanos em vez de esquadrinhar a palavra de Deus; a Biblia.

Irmão que Deus nos dê entendimento e paz para tratarmos de assuntos tão importantes, não é?

Um abraço fraterno,

Darleide Alves
darleide.alves@novotempo.org.br

rochafafe@hotmail.com disse...

Qurodo Josimar graça e paz!
Fico feliz por ter a oportunidade de recer as suasw menrsagens muito rica pois é a palavra de Deus, neste ambito gostaria de te pedir favor de não envbiar as mesagens pelo hotmail devido a pouco espaço; favor enviar pelo meu yahoo, missfamiliafafe@yahoo.com.br Gostaria tambem de deixar meus pedidos de oraçao, antes eu quero me apresentar, sou Júlio Fafe, africano, da Guiné-Bissau, casado com a brasileira Marçia Cristina ex-missionaria da missão JOCUM, somor missionarios da missão evangelica AMIDE sendo a sua sede em brasilia atualmente estamos aqui de ferias e pretendemos retornar ao campo na segundo quizena do mes de Agosto, temos dois filinhos, Lucas Abene e Mirelle Buine, fazemos missões entre os muçulmanos. Ore pela converçao deles e por nossa viagem.
Que Deus te abencoe querido fica na paz.
rochafafe@hotmail.com

Junior - facundes@hotmail.com disse...

Bom dia, boa tarde ou boa noite, Pr.Josimar. Graça e Paz.

Em 1º lugar agradeço o envio periódico de suas reflexões, em 2º lugar quero dizer que sua reflexão está mostrando ,de fato, o atual cenário que vivemos. Você tem razão.

Faltou apenas , na minha opinião, a referência ao "modelo" celular, que distorcido, tem criado verdadeiras aberrações.

É quando a forma se torna mais importante que o conteúdo, vira "fôrma", uma opinião vira "visão" e "revelação" de como "fazer" o cristianismo. Se não for assim não funciona.
Na visão deles, o Espírito Santo depende dessas "estratégias" para operar.
Parece que após o retorno do nosso Senhor aos Céus, criou-se um vácuo no tempo com um Cristianismo arcaico, e recentemente um "iluminado" teve a "visão" de como fazer.
Tenho visto muitas pessoas machucadas com esse modelo opressor de evangelismo, são metas numéricas para "ganhar" almas que mais se assemelham à grandes corporações empresariais.
Só se fala em liderança, liderança, liderança. Liderança é a palavra de ordem.
Bom , melhor parar por aqui, o Sr. deve conhecer essa realidade melhor do que eu.

Isto tudo sem falar de "líderes" mal resolvidos que não admitem ser chamados de outra coisa se não "apóstolos", com seus salários de executivos. Se eles soubéssem como os apóstolos viviam... as responsabilidades ... os riscos... os apertos... o compromisso... a coerência... a humildade... a vida doada verdadeiramente à Cruz... o repertir de bens e pães... ... ... se vissem os joelhos de Tiago... os sacrifícios de Paulo... o espinho... os açoites... o naufrágio... a picada da serpente... a crucificação de Pedro de cabeça para baixo... não se julgava digno de morrer como Ele... os açoites... a lâmina da espada entrando no pescoço... as orações debaixo de perseguição capitaneada pelo próprio inimigo...
Naquela época ser chamado de Apóstolo era um risco e uma vergonha, hoje parece simbolizar status e poder.
Bom, melhor parar de novo...

Um abraço
Júnior
facundes@hotmail.com

Metanoia Design disse...

Muito obrigado por ser um grito de liberdade em nosso meio. Que o Senhor desperte em todos nós, muitas vezes acovardados pelo sistema, a inconformidade santa que removerá a Igreja do Cordeiro da alienação ideológica da religião e trará à luz a VERDADE SUPREMA E MAGNÍFICA DE CISTO.
Um grande abraço
Anderson Carvalho
metanoia_design@yahoo.com