16 março 2009

Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras.

As comunidades eclesiásticas de lingua brasileira nos Estados Unidos são extensões das mesmas entidades eclesiásticas do solo brasileiro.

As “igrejas” das Assembléias de Deus na Grande Boston e em outras cidades e vilas de Massachusetts, por exemplo, importadas do Brasil, foram trazidas reproduzindo a mesma fragmentação do Brasil, e embora sejam unformizadas por pertencerem a mesma denominação, são oriundas de ministérios diferentes, cada um destes ministérios, os mais significativos, procurando estabelecer nas terras americanas sua representação.

É comum encontrar aqui quase todos os Ministérios das Assembléias de Deus do Brasil. Aquelas igrejas que surgiram de divisão de outras Assembléias estabelecidas, acabaram recebendo apoio de algum outro ministério do Brasil e quando não, permaneceram mesmo solitárias empunhando a bandeira da Assembléia: a placa lhes dão legitimidade, o importante é manter o nome, mesmo independentes, e sua liturgia e eclesiologia as identificam. Porém, comum a todas são as divisões que acontecem sempre e pelos mais variados motivos.

A fragmentação do chamado Ministério de Boston, ou Igreja do Avivamento Mundial, produzida especialmente em consequência da publicação do Livro “O Triunfo Eterno da Igreja” e de outros fatores não somente doutrinários e litúrgicos, mas de ordem financeira, produziram muitas igrejas também chamadas Assembléias de Deus ou Ministérios, os mais diversificados, com nomes variados, baseados na figura de seus fundadores. Deste modo reproduzem a mesma estrutura e o mesmo “status quo” da “grande mãe.”

As igrejas Batistas, fundadas por pastores da Convenção Batista Nacional (conhecida como Igreja Batista Renovada), também implantaram igrejas aqui na mesma linha da Renovação Espiritual, com tradições batistas.

Foram fundadas independentemente sem ligações entre os líderes entre si. Aqui a maioria destas igrejas passaram por divisões seguindo os mesmos processos de divisão nas terras brasileiras. Parece-me que carregam este DNA. Não conseguiram permanecer unidos como denominação. Nem mesmo através da CIBRA – que por um bom período agrupou estas igrejas numa harmonia bem exemplar e nem mesmo através da ALIANÇA ligada às Igrejas Batistas Americanas. Estas por sua vez se reuniram representadas por líderes de diferentes grupos e seguimentos batistas renovados, mas exacerbaram aqui as grandes diferenças que já tinham no Brasil.

As igrejas Batistas fundadas por pastores oriundos das Igrejas Batistas da Convenção Batista Brasileira, ligadas nos Estados Unidos, pela Convenção Batista do Sul, mantém um bloco mais homogêneo, por força da tradição e doutrinas batistas, porém apresentam uma tensão entre si bem dinâmica, pela dificuldade de reconciliação e convivência de alguns líderes, que por sua vez, mantendo o DNA dos irmãos Nacionais seguem se dividindo e se multiplicando sempre com o apoio final da Convenção que oferece sua “sombrinha” para todos, desde que permaneçam Batistas.

As Igrejas do Evangelho Quadrangular também se reproduziram e se mantém fiéis à versão brasileira. Por muitos anos têm sido supervisionadas por uma liderança mansa e amiga, reconciliadora, que mantem o grupo unido, motivado e fiel às raizes denominacionais, mas que protege a versão brasileira da influência americana, mantendo esta apenas como cobertura político-eclesiástica. Enquanto durar esta proteção, os brasileiros seguirão avançando e crescendo.

Seguindo esta linha de importação, a Comunidade Cristã Fonte da Vida, os Adiventistas do Sétimo Dia, a Igreja Maranata, os Presbiterianos, os Metodistas, outras denominações e ultimamente a Igreja Internacional da Graça, cada uma já marcam a sua presença representativa nas terras do “Tio $am.”

Os movimentos do G-12, da Visão Celular e da Igreja com Propósitos permearam o universo das igrejas evangélicas nos últimos anos, gerando em todo o canto, aceitação plena, ou rejeição exagerada ou indiferença. É que muitos pastores e líderes sem se preocuparem com a força da uniformização destes movimentos, mantiveram-se vivenciando ao seu peculiar modo de existir e com o que já estavam fazendo e com o que já estavam envolvidos.

Outros grupos considerados por muitos seguimentos evangélicos como proscritos, surgiram à parte deste universo evangélico brasileiro nos Estados Unidos, como a Igreja Local e a “Comunidade dos Discípulos” como é identificada por alguns.

E à revelia teem surgido outros grupos de crentes que se reunem nas casas por terem rompido com o modus evangelical eclesiástico vigente, com tendências de se multiplicarem e de crescerem. Não têm “pastor” e se reunem para orar, ler e estudar a Bíblia e terem comunhão, observando um mínimo de estrutura. George Barna no livro “Revolução” constata estatisticamente que este é o seguimento que mais cresce nos Estados Unidos.

No meio deste universo, muitos pastores fundaram igrejas independentes e comunidades as mais variadas, geralmente organizadas como frutos de rompimentos com grupos estabelecidos, como subdivisões das divisões no processo prematuro histórico recente destas igrejas “evangélicas”, gerando ordenações de obreiros apenas por necessidade de justificarem sua liderança sobre estas novas igrejas ou mesmo por auto reconhecimento, passando a se auto denominarem de “pastores ou pastoras” ou “apóstolos”.

Neste grupo ainda encontram-se os que foram achados em alguma falta, especialmente moral, e rejeitando a disciplina do grupo onde estavam inseridos, romperam com o grupo, divorciaram-se, casaram-se novamente e começaram novas igrejas. Com o passar do tempo, geralmente em alguns poucos anos, passam a serem aceitos dentro da comunidade dos pastores de uma certa região.

Quem olha de fora imagina que haja uma grande organização por trás de tudo isto, que promove esta diversificação enorme, que engendra esta implantação de tantas igrejas como se fora resultado de um planejamento estratégico.

De fato, em parte, é em alguns poucos grupos o processo normal de um crescimento planejado. Mas em sua maioria é um grande caldeirão de relacionamentos rompidos, de rejeição conveniente dos padrões bíblicos, de uma aversão à praxis e ética do Novo Testamento, de uma dinâmica de convivência difícil produzida pela luta pelo “poder eclesiástico”, pela luta pela sobrevivênca ou simplesmente por avareza, por causa da intolerância, da discórdia e da pobre compreensão da vocação e do chamado ministeriais.

Todas estas comunidades eclesiásticas, teem em comum, com raríssimas excessões, o desenvolvimento de uma mesma liturgia nas suas reuniões, que chamam de “culto” ou “celebração”. Todos os cultos basicamente em qualquer “igreja” teem o período de louvor, um período de orações ou da oração, dos avisos, do testemunho, das apresentações de cantores, conjuntos ou grupos de dança, da oferta (que atualmente toma boa parte do tempo), da pregação, do apelo, da ida ao altar e da oração pelos que atendem ao apelo.

Tudo é previsível e já se espera o que vai acontecer. Esta uniformidade das igrejas evangélicas reflete uma forma de culto centenária. Esta baseada no dirigente, que geralmente é o pastor, e não tem a participação do grupo de crentes intensivamente, mas de alguns esporadicamente e exclusivos.

Na maioria das igrejas, especialmente as pentecostais e as neo-pentecostais, o culto sempre tem que trazer elementos de atração ou novidades, e é carregado de muitos simbolismos e atos, que em alguns seguimentos, chamam de “atos proféticos”. A personalidade é marcante, distinta, carrega uma iluminação especial, opera algum milagre, o povo espera dele ou dela a benção... O sacerdócio real dos crentes foi esquecido!

Na maioria das igrejas a Teologia Bíblica, a Pregação Expositiva da Palavra e a Pregação da Mensagem da Cruz tornaram-se raridades, pois o que é valorizado é a experiência espiritual ou a prática, mesmo que não tenha embasamento bíblico. Verbalizando, a coisa é mais ou menos assim: se dá resultado, deve ter a aprovação de Deus!

O texto bíblico funciona sempre como pretexto para se transmitir a Revelação Especial de Deus, que em última análise, nem confere com as Escrituras, é um caso. A interpretação do texto é livre, cada palavra embora com significado próprio, é apenas o instrumento da “exegegue” que justifica o discurso já antes preparado, sem sequer ter sido consultado e interpretado previamente o texto das Escrituras. As expressões “Deus me revelou” ou “Deus me disse” são comuns, e atribuem ao lider uma autoridade quase absoluta e inquestionável, pois afinal de contas quem ousaria questionar o que Deus fala e quem ousaria contradizer ou mesmo dialogar com um homem ou uma mulher tão próximo de Deus.

O perigo de uma certa divinização do líder é quase inevitável com implicações éticas liberalizantes, pois a quem Deus fala assim passa a viver acima de qualquer repreensão e ter o direito de fazer o que quiser.

Na maioria das igrejas a música segue sempre uma moda atual vigente, assim é comum assistirmos os estilos, os trejeitos, os modos virem e irem. Houve tempo em que se adorava de costas. Passou! Aí devíamos deitar... E todo mundo deitava... E assim por diante... Faltando uma genuinidade e expontaneidade natural nos adoradores sem se preocuparem em seguirem formas e modelos massificados pela mídia evangélica.

A maioria das igrejas copia sempre a maior influência do momento e se sujeita a seguir modismos que tornam todo mundo igual por fazer as mesmas coisas sempre até que algo novo surja.

É preciso ensinar aos crentes e aos pastores que o culto que se oferece a Deus é racional. Não anulamos as emoções porque Deus é um Deus tão cheio de sentimentos como nós somos, mas é preciso arrazoar para não continuarmos sendo estações repetidoras ao invés de nos tornarmos estações transmissoras. Gente que raciocina a Palavra e dialoga a Palavra, porque o tempo de amadurecer chegou tanto quanto o de aumentar o discernimento das coisas espirituais.

Urge imediatamente uma análise não humana, mas de Deus sobre nós. “Sonda-me, ó Deus...”

Nossa relevância para conosco mesmo é medida pela profundidade de nossa honestidade ao sermos iluminados pela Luz da Palavra, e conscientemente ressonarmos o que a Palavra diz a nosso respeito.

Não podemos brincar de faz de conta. Não podemos amenizar a nossa dor e o sofrimento
produzidos pela tristeza que vem Deus que opera o arrependimento “decretando” a diminuição da “espada de dois gumes que penetra até a divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” (Hb 4:12)

É preciso repensar e estudar nas Escrituras o que significa Igreja e Reino, porque acho que não experimentamos ainda nenhum nem outro.

É preciso renunciar a todo o misticismo que nos afasta da Cruz de Cristo.

É preciso rogar, chorar e gemer se preciso for, para conhecermos o que significa sermos aprovados por Deus, porque se esta igreja estampa em si algum carimbo, é este: “Desaprovada por Deus.”

É preciso renunciar a todo o simbolismo e ritual medievais, pois não precisamos de sombras para nos achegarmos a Cristo, só precisamos ir.

É preciso restaurar o centralização da Mensagem e Teologia Bíblicas, mesmo que isto custe a perda das multidões e consequentemente de seus dízimos e ofertas.

É preciso pregar expositivamente a Palavra de Deus significando todo o Conselho de Deus, ainda que nos custe horas de estudos das Escrituras e aquelas orações com gemidos inexprimíveis que há muito não conhecemos mais, se é que as conhecemos algum dia.

É preciso pregar e proclamar da Mensagem da Cruz e viver a obediência do que significa renunciar tudo, tomar a Cruz e seguir a Cristo.

Josimar Salum
Pompano Beach, FL USA
14/03/2009

19 comentários:

Maria Elizabeth disse...

Gosto de seus e-mails e os repasso sempre pois tenho certeza que muitas pessoas estão precisando de ajuda de palavras e sobretudo de Deus
Maria Elizabeth Sales da Silva Sales bgsal_2006@yahoo.com.br

Paulo Emanuel disse...

A meu ver, este foi o melhor artigo que você já escreveu até hoje. Motivo: embora você se situe em alguma destas tendências, você conseguiu agir cientificamente, com isenção, sem mostrar o seu partido.
Fiz uma leitura gostosa e inteligente de tudo. Normalmente, faço leituras dinâmicas de artigos e crônicas, porém este eu tive o prazer de ler linha por linha. E você retratou muito bem a realidade histórica da coisa.
O título do artigo foi altamente apropriado, pois é o humano mesmo nas denominações, ou seja, o satânico, pois Jesus repreendeu a Pedro, dizendo que Satanás cogita das coisas humanas e não de Deus. Então, o humano está sufocando a boa semente, razão pela qual, embora tenha recebido aquela profecia da irmã Kelly, esposa do Edielson (? Igreja do Gustavo Adiers), no sentido que Deus tem ou teria uma obra para a minha pessoa aí, ainda penso que se eu estivesse aí, poderia ser mais um no meio da "humanaiada" ou "satanaiada", de acordo com o meu arrazoado. Estes dias, seguindo aquela linha que lhe enviei sobre Ezequiel 28 e Isaías 14, estou me reaprofundando um pouco mais na análise do satanismo entre os crentes(ou demonismo, etc). Na minha humilde pesquisa, Satanás se tornou nome próprio apenas a partir de I Cr. 21, pois antes disso, a palavra satã poderia se referir até a oposições nas monarquias de Israel e Judá, nas cortes jurídicas e mesmo no "anjo do Senhor" que foi o Satanás no caminho de Balaão. Talvez isto venha a ensejar um artigo meu ou seu sobre "sermos o Satanás dos outros". Explico-me. Certa vez, não sei onde e quando(deve ter sido no período em que eu estava EM UMA IGREJA CONHECIDA), preguei uma série de mensagens sobre o Salmo 109:6 e o contexto das mesmas é que eu sentia que alguns irmãos, estavam sendo os satãs no meu caminho, porque sabiam que se eu subisse, a luz deles poderia se apagar. Foi quando eu dei uma de Jorão, sacudi o jugo do pastor da igreja de sobre mim e gritei para minha própria alma: -"Eu fui chamado para ser ministro de Jesus e não deste pastor. Então vou deixar esta coisa chamada Igrejinha, porque não preciso disso para viver".
Mas(como diz você que eu dizia no SBM), deixa prá lá. Eles não estão me incomodando. Que eles prosperem, a fim de que o Reino cresça. pois Jesus tirará os eleitos até de dentro da Babilônia, através do -"Sai dela, povo meu!", retumbante 7 vezes em toda a Escritura.
Um abração.
Paulo Emanuel
cdgrandioso@yahoo.com.br

pastorroetati@yahoo.com.br disse...

POR QUE AMO A IGREJA DE JESUS E AO INVÉS DE FICAR SÓ CRITICANDO O QUE TEM ACONTECIDO DE ERRADO, ORO PARA QUE DEUS FORTALEÇA SUA IGREJA.
ESTES TEXTOS FALAM COMO SE NÃO EXISTISSE MAIS IGREJAS QUE PREGAM A VERDADE E BUSCAM A DEUS DE TODO CORAÇÃO...
POIS EU, GRAÇAS A DEUS, FAÇO PARTE DE UM MINISTÉRIO QUE BUSCA A SANTIDADE E EVANGELIZA PARA LEVAR AS PESSOAS A TEREM UM REAL ENCONTRO COM CRISTO E SE TORNEM NOVA CRIATURA. E CONHEÇO MUITAS OUTRAS IGREJAS E LÍDERES CRISTÃOS QUE VIVEM DE ACORDO COM A PALAVRA DE DEUS.
VOCÊS PARTICIPAM DE ALGUMA IGREJA? OU NÃO ACREDITAM NA PALAVRA DE DEUS QUE NOS ORDENA A NÃO DEIXAR DE CONGREGAR COM NOSSOS IRMÃOS?
POR AMOR AO SENHOR E AO SEU CHAMADO, REVEJA SUAS IDEIAS AOS PÉS DA CRUZ !
UM ABRAÇO, QUE DEUS O ABENÇOE
pastorroetati@yahoo.com.br

Livania Marques disse...

Boa análise Pastor.
Abraços,
Livania Marques
livania.usa@gmail.com

Cleonir Rabelo disse...

Salum,

Obrigado pelo artigo. Infelizmente voce não falou sobre o principal: muitas igrejas brasileiras são o que são devido os maus exemplos e as direções tedenciosas tomadas pelos chamados pastores líderes destas igrejas.

Assistimos "batendo palmas" o problema com a World Revival Church e poucos pastores tiveram a coragem e valentia para "por a bôca no trombone" e denunciar os absurdos, e alguns que fizeram foram chamados de radicais. Todos sabiam, todos viram, mas como a maioria que está na frente das igrejas está preocupada com apenas seu bem-estar, ninguém disse nada.

Seu artigo retrata apenas a metade da questão, porque voce está olhando apenas para as grandes igrejas. Só que as grandes igrejas e os grandes líderes não representam a Igreja de Cristo aqui. A razão porque muitas pessoas estão se unindo e preferindo estudar, orar e cultuar a Deus em suas casas é um sinal claro e um grito de aviso para os "grandes líderes" que seu sistema, suas maneiras e suas igrejas estão fora da realidade e da expectativa de Cristo e do povo de Deus.

Nestes dias da Igreja de Laodicéia, os grandes homens e mulheres de Deus estão dentro das "pequenas igrejas", que ninguém vê, ninguém leva em conta, porque elas não têm fama; porque elas estão buscando a Glória de Cristo e não a glória dos homens.

As pessoas estão frustadas com as lideranças que têm. As grandes igrejas estão, a cada dia, tentando tudo o que podem para ver se seguram as pessoas nelas. A Igreja Brasileira, tão grande e tão forte, não consegue produzir bons líderes. Não temos hoje um só homem ou nome que podemos dizer que representa a Igreja Brasileira. Mas os grandes homens e as grandes mulheres de Deus estão aí, no meio do povão, só que os olhos dos homens não os enchergam.

A maioria vive de ondas e modas. Agora é a moda do "apóstolo" ( não sou contra o apostolado, mas o que vejo diante dos meus olhos não reflete o ministério apóstolico bíblico). Todo mundo agora quer ser apóstolo. E por aí se vai. E onde estão os profetas de Deus para gritar e defender a Igreja...

Algumas igrejas agora estão "judaizando os cristãos". Toca-se shofar nos cultos, usa-se o Talita para orar, pastores usam o Kepar, a barba cresce... os que vão a Israel têm de ser "batizados novamente no Jordão", outros têm que "confirmar seu batismo" no Jordão, porque, do contrário, não foram batizados, a onda do G-12 ( graças a Deus está passando) deixou sua marca desastrosa no Brasil e em algumas igrejas aqui.

Bem, e aí "todo mundo concorda". Ninguém diz nada porque "ofende o irmão". E quando alguém tenta trazer estes assuntos à toma, é chamado de radical. Como pastor, sofro muito com isto, mas luto contra estas heresias que vejo, não deixo elas entrarem em minha igreja, mas, infelizmente, parece que a Palavra de Deus já se foi a muito tempo da maioria das igrejas daqui.

Os Evangélicos condenaram o Catolicismo e toda a sua idolatria, agora vem aí a Universal e outras Seitas trazendo toda a "feitiçaria" do Catolicismo para dentro da Igreja de Cristo , e os apologistas, teólogos e líderes, não têm coragem de abrir a bòca e condenar o erro, porque estão comprometidos.

Não sou orgulhoso, mas recuso aceitar a heresia e ficar calado. Não vou mudar o mundo, não vou convencer a maioria das pessoas, posso "queimar o meu filme" ( se é que tenho filme), mas jamais me calarei diante do que estou vendo.

Para mim, o Poder da Cruz ainda fala mais alto. A Cruz está viva. Jesus não morreu em vão. Minha esperança está na Cruz de Cristo. O dia em que a Igreja Evangélica Brasileira tirou a Cruz da sua liturgia e dos púlpitos, ela se transformou no que vemos.

Porém, A DEUS SEJA DADA TODA GLÓRIA,

Do irmão em Cristo,


Cleonir Rabelo prcrabelo@msn.com

David Pegoral disse...

Muito bom texto. Acredito que o verdadeiro avivamento será produto de
uma busca sincera à Jesus e não proveniente de modismos.

Muito boa leitura dos momentos atuais. Vale acrescentar ainda os
interesses financeiros dessa pseudo sede de multiplicação. Não
generalizando é claro.

Parabéns!


Deus os abençoe!


David Pegoral
davidpegoral@oi.com.br

Pr. Francisco Izidoro disse...

From: Pr Francisco Izidoro - PIBBRNY pastor@pibbrny.org
To: jsalum@greaterrevival.com
Sent: Sat, 14 Mar 2009 1:05 pm
Subject: Re: ESPECIAL - Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras


Respondendo.
Amado em Cristo,
Graça e Paz
Quero parabenizar o colega por este artigo ESPECIAL - Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras. O colega foi muito "feliz" e sábio na abordagem do assunto.
Sou pastor batista, da convenção batista brasileira, ligado a Convenção Batista do Sul. Por 13 anos anos estou em New York - Astoria - www.pibbrny.org.
Nossa Igreja já passou por várias fases e tempestades. Enfrentamos um grande ataque do "espírito de Jezabel" mais saímos vencedores.
Por aqui eu estou firme nos propósitos do Senhor para a minha vida e ministério.
Desejo o melhor de Deus para sua vida, família e ministério.
Pr. Francisco Izidoro

Silvio Simoes disse...

From: Silvio Simoes prsilviosimoes@yahoo.com
To: jsalum@greaterrevival.com
Sent: Sat, 14 Mar 2009 12:14 pm
Subject: Re: ESPECIAL - Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras
Ola Salum
Muito boa a sua reflexão "sócio-espiritual", muito enriquecedora. Valeu!!!
Um abraço e que o Senhor continue a abençoa-lo
Silvio Simões (Bridgeport,CT)

PR. TONY disse...

From: andreiaantonio
andreiaantonio@uol.com.br
To: jsalum@greaterrevival.com
Sent: Sat, 14 Mar 2009 11:08 am
Subject: Re: ESPECIAL - Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras

Paz!! Pastor Josimar Salum.
Nao nos conhecemos pessoalmente, mas ja vi o senhor em algumas ocasioes, tem lido seus artigos, e tenho identificado com seus pensamentos a respeito de muitas situacoes dentro da IGREJA DE JESUS CRISTO.
Acabo de ler rapidamente este artigo e me levou a uma profunda reflexao a respeito destes acontecimentos que ocorrem e ainda estao ocorrendo no nosso meio, e as vezes nos deixam perplexos .
Louvo a DEUS por ainda ter homens que tem coragem de nao se importar com sua posicao ou titulo , mas esta somente interessado na pregacao do verdadeiro evangelho de JESUS.
Essas palavras tem apenas o obejetivo de encorajo-lo, embora oriundas de um pastor que nao tem nehuma expressao no meio PASTORAL, mas tem buscado ao SENHOR de todo o meu coracao com um unico desejo de que ELE faca em mim o SEU PROPOSITO.
DEUS O ABENCOE MUITO MAIS.
AB RACO FRATERNAL EM CRISTO JESUS.
PR. TONY
CO-PASTOR DA IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR
HYANNIS- MA - USA

Roger disse...

From: Rogerio
rocafritas@gmail.com
Sent: Sat, 14 Mar 2009 11:04 am
Subject: Re: ESPECIAL - Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras

No meio Desta confusao religiosa,
Existe Uma so verdade.
JESUS e a verdade o caminho e a vida...
1-JESUS tem que ser unico ponto de referencia.(a Ele ouvi. Mateus 17.1-5
2-Palavra postolica tem que ser a nossa Unica fonte
De imformacao..Atos 1.1-3
3- A ordem de JESUS e que facamos discipulos. Mat.28.18-20
4- A unica pregacao que forma discipulos e a do evangelho do Reino.Mat.4.23 , 9.35,Marcos 1.14-15
Lucas4.43,8.1,9.60 Atos 8.12,19.8,20.25,28.23
Reino de Deus= Governo de Deus
No Reino de Deus nao Tem espaco pra
Pra Quem nao e Discipulo de jesus..
E este evangelho sera pregado entao vira o fim Mat.24.14
Esta e a esperanca pra todos os Homens
E religiosos, este e o fim da rebeliao do Homen da comfusao e da discordias..
Por Isso que e o unico evangelho que forma discipulos.
Cristo em vos a esperenca da Gloria.
Um beijao na sua testa.
Sent from Roger iphone

Lídia disse...

From: Lidia Silva
lidiasilva58@gmail.com
To: jsalum@greaterrevival.com
Sent: Sat, 14 Mar 2009 8:44 am
Subject: Re: ESPECIAL - Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras
Excelente! Que o Senhor tenha misericordia de nós e nos dê ouvidos para ouvir. Deus o abençoe. Lidia

Jesser disse...

jessermedeiros@gmail.com
Sent: Sat, 14 Mar 2009 8:05 am
Subject: Re: ESPECIAL - Uma análise do humano nas comunidades eclesiásticas brasileiras
Graça e paz
Excelente raio X tirado pelo irmão.É pena que a maioria que está passando por isso não lerá sua exposição e se lessem ignorariam.
Fique na paz daquele que não desaponta.

Paulo Paiva disse...

From: PAULO ROBERTO PAIVA
paulorobert@hotmail.com
Sent: Sat, 14 Mar 2009 10:54 am
Subject: Informação


Querido irmão...

Tenho recebido seus emails, com artigos que julgo serem relevantes e de grande interesse de minha parte. Porque tenho sempre o hábito de "ler tudo e reter o que é bom", e estes artigos têm muito conteúdo e são por mim classificados com bons.
Mas tenho-lhe uma pergunta: "Como foi que o irmão conseguiu meu email?"
Espero que está pergunta não lhe cause nenhum constrangimento, pelo contrário, é apenas uma curiosidade e até mesmo informação e confirmação. Porque confesso ao irmão, que sinto falta de ler alguns artigos tão bons como os seus. E se eu os tenho recebido, são prova de que Jesus e Deus Pai me ouvem, pois clamo ao Senhor por mais esclarecimento, conhecimento e sabedoria com a Sua Palavra.
Por favor, não pare de enviá-los, serão lidos e analisados por mim sob a tutela da Palavra do Senhor, assim como nossos irmãos em "Beréia" faziam. Alguns dos seus temas eu mesmo já os vivenciei em todos os sentidos e me fazem refletir diante do Senhor que tudo sabe e pode fazer, me colocando a Sua Divina disposição para ser curado, restaurado e fortalecido.
Continue no seu ministério e saíba, que o irmão tem mais um companheiro de oração e clamor ao nosso Pai.
Um forte abraço
Paulo Paiva

-Julio Marcos Mattos disse...

Fico me perguntando onde esta a Igreja(eklessia) no meio de tudo isso, penso que II Timoteo me diz que hoje o que temos é uma Grande Casa, onde temos vasos para honra e outros para desonra, basta descobrirmos o tipo de vasos que estamso sendo e viver.
Um abraço e obrigado.

" Bem aventurado o varão que o Senhor quando vier, achar servindo assim"

Cooperador-Julio Marcos Mattos Ometto
email: julio@literaturacrista.com.br

Deposito de Literatura Cristã
www.literaturacrista.com.br
"Trabalhando para a Edificação do Reino de Deus"

Marcelo Dantas A. disse...

Shalom meu querido irmão,
Realmente é muito profundo se bem que fácil ver o que acontece nas nossas igrejas de "hoje em dia". Aqui na França passamos por essas mesmas experiências e só posso estar de acordo com você.
Sempre que puder, me mande os seus artigos,e já lhe peço antecipadamente autorização para publica-los nos sites evangélicos que desenvolvo.
Que Deus te guarde e abençoe, tu e toda a nossa família em Jesus Cristo.
Marcelo Dantas A.
marcelo@live.fr

Marcos disse...

LOUVO A DEUS PELO SEU EQUILÍBRIO E AMOR AS ESCRISTURAS.

EM CRISTO,

PR.MARCOS E FAMÍLIA
mr.mjmattos@hotmail.com

Eduardo Ganem disse...

Meu querido irmão,

embora não nos conheçamos pessoalmente, posso chamá-lo de meu querido irmão em Cristo Jesus; pois sei que o mesmo Espírito habita em nós, e a prova disso é seu discurso sobre unidade do corpo, pregação da Palavra....de Deus e não das dos homens, a volta às orações, à devoção, à liberdade ao Espírito que anda gessado pelas programações etc.
Resumindo, precisamos e devemos rogar por um avivamento do povo de Deus, da Teologia da cruz,de falar do pecado,da necessidade de arrependimento, de humilhação diante do Todo Poderoso que tem sido substituido por muitos todos poderosos(Papas das igrejas evangélicas). Precisamos voltar a seguir Jesus; para isto é preciso tomarmos nossa cruz e caminharmos até ao Gólgota. Precisamos lembrar que aqui temos é muita luta, o refresco, o manjar, a sombra e água fresca nos aguarda na Glória.

Deus o abençõe e guarde nesta verdadeira fé. Amém.

SOLI DE O GLORIA.


Eduardo Ganem
Fone/Fax: 33 3522 6681
Cel.: 33 8812 3738
E-mail: eduganem@bol.com.br

Rodrigo Rocha disse...

Pr., a paz esteja convosco !

se me permite gostaria de fazer um comentário e algumas perguntas.

Por causa do meu trabalho sempre mudo de cidade e consequentemente de denominação, pois não há uma uniformidade entre uma denominação em cidades diferentes, por exemplo, a quadrangular da cidade X, não é igual a quadrangular da cidade Y, isso tenho notado com frequencia. Por esse motivo quando mudamos para uma nova cidade visitamos todas as congregações possiveis e escolhemos a que mais nos adaptamos. De acordo com sua análise abaixo não consegui entender a sua opnião, voce criticou as igrejas mais bem estruturadas (batistas, assembleias de Deus, quadrangular, metodistas, presbiterianos ..) e também criticou as novas denominções que vão surgindo.

Pr., todas as igrejas atuais não são de alguma forma uma divisão da igreja criada em ATos?

Como poderemos saber qual a denominação mais correta a seguir ? pois com certeza todas tem seus defeitos.

e por ultimo, gostaria de saber que pecado há nas reuniões feitas nas casas pois se Mateus 18:19-20 diz "Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles."

no aguardo e ansioso por sua resposta,

Rodrigo Rocha
Juiz de Fora - MG - Brasil
mestresul@hotmail.com

Josimar Salum disse...

Rodrigo Rocha: Pastor, todas as igrejas atuais não são de alguma forma uma divisão da igreja criada em ATos?

Josimar Salum: Todas as igrejas atuais são produtos das divisões históricas antes e depois do protestantismo. Entretanto o Corpo de Cristo continua e continuará sendo indivisível.

Nosso esforço deve ser o de viver a comunhão dos santos, com todos os salvos em qualquer lugar, na expressão do Corpo manifestada nos encontros periódicos que participamos e na Unidade que manifestamos através dos relacionamentos uns com os outros.

Rodrigo Rocha: Como poderemos saber qual a denominação mais correta a seguir?

Josimar Salum: Nenhuma denominação é correta, a começar pela sua natureza. Denominar expressa em quantas partes o todo (a unidade) foi dividido. Estamos unidos aos irmãos e irmãs, salvos, em qualquer denominação.


Rodrigo Rocha: Por ultimo, gostaria de saber que pecado há nas reuniões feitas nas casas pois se Mateus 18:19-20 diz "Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles."

Josimar Salum: Não há nenhum pecado em reuniões feitas nas casas, ao contrário esta era a prática nas cidades e na história de Atos dos Apóstolos. O único templo conhecido naquela época era o templo judeu destruído no ano 70 D.C.

Toda reunião que venha a dividir o Corpo de Cristo é pecado.


Josimar Salum